segunda-feira, 26 de março de 2012

O fim das Prévias

Por Caio Lafayette


"Quando um partido tem um candidato mais forte, prefere o candidato mais forte." 

Fernando Henrique Cardoso


Ontem, dia 25 de Março, foi realizada a Prévia do PSDB que definiu seu candidato a Prefeito da maior cidade do país, São Paulo.

Após a desistência de Andrea Matarazzo e Bruno Covas quando da entrada de José Serra no processo, sobraram três postulantes a indicação partidária: José Aníbal, Ricardo Trípoli e o próprio José Serra.

O resultado prático das prévias foi: com mais de 6.200 votos em 58 locais de votação, o ex-Governador Serra recebeu 52,10% dos votos sagrando-se o vencedor; José Aníbal ficou em segundo lugar, com 31,20%, e Ricardo Trípoli em terceiro, com 16,70%.

Mas o resultado do processo de prévias vai muito além da soma que resulta em 100% - considerando os votos brancos e nulos. E é sobre eles que pretendo falar um pouco:




  1. Bruno Covas e Andrea Matarazzo, mesmo tendo saído do processo para apoiar José Serra, conquistaram espaço e ajudaram a oxigenar a bases do partido. Arrisco dizer que são eles as personagens que saíram mais fortalecidas das prévias: conheceram a cidade e os militantes, tiveram espaço na mídia e se tornaram lideranças naturais do partido.
  2. A entrada de José Serra nas prévias engrandeceu ao PSDB. Garanto serem poucos os partidos que têm em seus quadros lideranças como as que disputaram as prévias - Serra, Aníbal e Trípolo - mais os dois que desistiram - Bruno Covas e Andrea Matarazzo - e ainda todos aqueles que fizeram da disputa um 'show a parte' no cenário político de São Paulo - como exemplo cito Walter Feldman, Edson Aparecido, Orlando Morando, o Senador Aloysio Nunes e muitos outros.
  3. O apoio do Governador Geraldo Alckmin ao processo de prévias foi essencial. Mas a forma como a militância aderiu ao modelo foi o que garantiu sua realização, mesmo com todas as discussões sobre alteração de data e entrada de novos candidatos.
  4. A votação expressiva do candidato José Aníbal mostrou a força desse líder nas bases do partido e fez da vitória de José Serra ainda mais valiosa. 
  5. Mesmo assim, a vitória com mais de 50% do eleitorado garante legitimidade a José Serra para disputar a Prefeitura de São Paulo como representante de um PSDB ainda mais forte depois da disputa.
  6. A exposição das prévias na mídia fez bem ao partido. Com um instrumento legal - ao contrário do que fez Lula nas eleições de 2010 - o PSDB pôs seu nome e o de seus líderes nas capas de jornais, noticiários de TV e atualizações de Internet.
  7. Por fim, valeu pela participação da militância. Pra quem diz que o PSDB não tem militante, os mais de 6.000 filiados que saíram de casa no Domingo para definir o futuro do partido mostraram que a Social Democracia tem sim seus simpatizantes. E ao contrário do Partido que se diz democrático e definiu seu candidato graças a indicação de uma única figura, a candidatura de José Serra representa a vontade dos filiados de seu partido.
Agora começa uma nova fase. Não será nada fácil vencer as eleições. Mas depois do que vimos ontem, acho que será difícil tirar os tucanos da rua esse ano!
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário