quarta-feira, 20 de junho de 2012

O que começa errado...

Por Caio Lafayette


Preferências partidárias à parte, é impossível considerar normal o episódio Erundina - Haddad - Lula - Maluf.


Mas antes de chegar em Erundina, vale uma reflexão sobre como tem sido tocada a campanha do PT na capital paulista, refém de um único articulador - ele mesmo, Luis Inácio Lula da Silva.

Reza a lenda que tudo que começa errado, termina errado. Ainda é cedo para afirmar que o candidato do PT, o inexpressivo Fernando Haddad, perderá as eleições. Mas tudo caminha pra isso. Afinal, o que começa errado...


Marta Suplicy é ainda o principal quadro do PT em São Paulo. Com todos os muitos defeitos dela, é a grande liderança do partido no maior Estado do País. Arrisco dizer que tem maior capital político que Lula aqui. Mas foi jogada para escanteio por conta de uma vontade pessoal do ex-Presidente. Sim, única e exclusivamente ELE viu em Fernando Haddad um bom candidato. Marta se chateou, com razão. Não faz o mínimo esforço para ajudar aqueles que a renegaram. Estes, por sua vez, confiam ainda conseguir mudar a postura da Senadora. Acho difícil.

0 x 1.

Pois é, Marta foi preterida por... Fernando Haddad. Quem? É...
Acadêmico, trabalhou na Prefeitura de São Paulo na gestão Marta Suplicy, chegou ao Ministério da Educação com Lula e ficou conhecido após série de falhas nas provas do ENEM em todo o país, cuja responsabilidade era de sua pasta.
Os repetidos erros do ENEM serviram para colocar o então Ministro na mídia. O 'genial' Lula então fez a aposta: esse seria o candidato para a cidade de São Paulo, obsessão do PT.
Logo na partida, Haddad confundiu Itaim Paulista com Itaim Bibi, não conseguiu unir o partido em torno do seu nome e manteve-se estagnado nas pesquisas de intenção de voto, não saindo da faixa dos 6% - coisa que consegui apenas agora, há menos de 4 meses da eleição.

0 x 2

'O ARTICULADOR' Lula, então, foi em busca de parceiros para sua loucura - já que nem seu próprio partido se mostrava muito satisfeito com as interferências. Procurou Kassab. Cortejou Kassab. Viu em Kassab a chance de transformar seu candidato na continuação - e dá-lo alguma identidade.
Kassab, por sua vez, ouviu Lula. Quase quis que todos ouvissem também o que conversavam. Tinha seus motivos. Usou o ex-Presidente para incentivar José Serra a ser candidato a Prefeito. Isso sim o que ele queria. Parceria antiga. E conseguiu. No fim, deve indicar o vice da chapa do PSDB, favorita nessa eleição. E estancou alguns possíveis ataques do PT à sua administração. Deu um baile no ARTICULADOR Lula.



Começou a virar goleada...

0 x 3
Junho chegou e o PT não tinha NENHUM partido coligado em prol da candidatura de Haddad. Enquanto isso, José Serra colecionava boas notícias com as definições de DEM, PR, PV em torno de seu nome.
Hora de Lula entrar em cena.
Forçou a barra com o Presidente Nacional do PSB, Eduardo Campos. As lideranças estaduais do partido já haviam deixado claro o interesse em apoiar Serra. Mas Lula interviu em Recife, capital do Estado governado por Campos, em mais uma atitude antidemocrática. O Governador interviu em São Paulo. No fim, o PT levou o PSB, partido em nítido crescimento no cenário nacional. Ponto pra Lula.

1 x 3

Haddad, 'O homem novo para um tempo novo', como o PT o definiu, ganhou Erundina como vice após a negociação com o PSB. 'Ganhar' é realmente o melhor termo pra definir o que aconteceu, até então. Com todas as dúvidas com relação a viabilidade das ideias da Deputada Erundina, nunca pôde se discutir seu peso político, integridade e caráter. Era a vice ideial: já foi Prefeita, é experiente, sempre lembrada como sinônimo de ética na política. Encorpou a chapa de Haddad, que parecia começar entrar de vez na disputa.

2 x 3

Ainda faltava o PP. Dono de mais de 1 minuto na TV, todos queriam - o PP. Mas os Progressistas carregam consigo um fardo muito pesado: Paulo Maluf - que dispensa apresentações. E Maluf não se intimidou. Pediu alto. Sabia que de algum lado viria. Alckmin negou uma Secretaria de Estado. Dilma não: cedeu aos pedidos de Lula e deu uma importante Secretaria no Governo Federal. Parceira efetivada. E o que poderia ser considerado o empate em '3 x 3' se transformou no maior gol contra desta campanha, até agora.

Se Lula abriu mão, mais uma vez, de tudo o que defendeu durante toda a vida, Erundina não. Com coerência e coragem política Erundina disse NÃO de uma só vez à governabilidade a qualquer preço, às decisões unilaterais, ao jeito de fazer política que Lula quer fazer parecer normal. Negou ser vice de Haddad. Disse que não caminha ao lado de Maluf. Vitou Trending Topics do twitter. E, sem dúvida, ainda mais admirada pelos brasileiros. Fez renascer a esperança de ainda haver ética na política. Para tanto, não precisou mudar o mundo, apenas foi coerente - coisa que Lula não é desde quando foi eleito para ser o Presidente do País.


"Que aquele garoto que ia mudar o mundo frequenta agora 
as festas do 'Grand Monde'" 

E o jogo, que podia ter empatado, virou goleada que número nenhum resumiria.

A campanha, que oficialmente ainda nem começou, já tem talvez seu maior acontecimento.

E a chance de acabar bem?

Isso vocês mesmo respondem...

3 comentários:

  1. Quase tudo perfeito no seu texto, só fiquei admirado com a parte "enquanto isso José Serra colecionava BOAS notícias com as definições de DEM, PR, PV em torno de seu nome". Se estes partidos são coisas boas, realmente a política nacional está esculhambada mesmo. A aliança do PSDB com estes partidos (motivadas por mais tempo na tv) é tão nefasta quando a do PT com PP de Maluf, afinal os partidos acima, exceto o PV, são partidos ditos Liberais (anteriormente PFL e PL), mais preocupados com a economia e consequentemente com as políticas Neoliberais, minimizando os investimentos com os problemas de ordem social. Honestamente não creio que o Serra deva estar muito orgulhoso de ter como aliado Demostenes Torres, latifundiários e Tiriricas, além do Prefeito de São Paulo, que não fez absolutamente NADA nos últimos três anos para a cidade, se preocupando apenas com a criação de seu partido (que honestamente não sei quais são as bandeiras que defende, mas tenho a impressão de querer buscar algo entre o PSDB e o DEM)e que se não me engano é cria do Maluf em seus tempos aureos...ou seja, não sei quem se salva nesta encrenca toda.... Algo me diz que ninguém ainda convenceu o Serra a desistir da presidência em 2014, aí ele larga a cidade de novo... e vai deixar na mão de quem mesmo? Marlene Machado / Alexandre Schneider? Está dificil escolher candidato SÉRIO na maior cidade do país! Em tempo apesar de ter vivenciado muitos problemas na gestão Erundina, acho que o fato de largar esta candidatura Haddad, fortaleceria e muito uma eventual candidatura do PSB em São Paulo, fazia tempo que não via um político fazer uma ação tão digna.

    Enquanto isso: As informações são do jornal O Estado de S.Paulo...
    Os tucanos negociavam o apoio com Maluf desde 2011, mas foram surpreendidos pelo PT, que, na semana passada, deu participação a um aliado dele no Ministério das Cidades. No ano passado, Alckmin colocou o PP na Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU), em troca de apoio para se reeleger em 2014. Agora, para apoiar Serra, o ex-prefeito havia pedido o controle da Secretaria de Habitação, a qual a CDHU é ligada. Alckmin deixou a negociação para depois da eleição. "Fui humilhado", teria dito Maluf a integrante do governo paulista que conversou sábado com ele.

    Não sou PSTU...londe de mim... mas acho que PT e PSDB são idênticos...
    Abração meu caro Caio!
    O admiro muito pelo seu engajamento na política! estamos necessitados de novos políticos e novas ideias!
    Ricardo Corte

    ResponderExcluir
  2. um contraponto:
    http://cronicasdomotta.blogspot.com.br/2012/06/os-idealistas-trabalham-de-graca.html?spref=fb

    http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/50025-a-sorte-de-haddad.shtml

    Abraços

    ResponderExcluir