quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Um abraço, Um resumo

Por Caio Lafayette


E então se abraçaram...

***

Num mundo cujas características culturais atuais presam pela exposição da bunda e do peito, em que o sexo se distancia cada vez mais do amor, em que as poesias mais recitadas estão nas letras de funk e a literatura mais vendida é erótica, um abraço pode parecer pouca coisa. Mas se abraçaram e a história acaba aqui.



*** 

Ele estava ansioso pelo show. Há alguns meses havia comprado o ingresso. E sabia que ela estaria lá, o que tornava o evento ainda mais nobre, na cabeça dele.

Ela também estava ansiosa, do outro lado da cidade. Menos pelo fato de saber que ele estaria lá do que pelo show em si, de sua banda preferida. Ela, pra falar a verdade, preferia não ter que vê-lo. Ele mexia com ela de uma maneira especial, diferente de qualquer coisa que já havia sentido – e tudo que é fora do comum assusta o ser humano. Não queria dividir sua atenção entre o show e ele. Iria se perder com um dos dois.

Ele saiu mais cedo de casa. Pensou em ligar pra ela, como quem não quisesse nada, e dizer:

- Já chegou? Corre porque está ficando cheio!

Mas lembrou que o show era com lugar marcado.

Ela demorou um pouco mais. Um pouco não, bem mais do que o previsto, aliás. A maquiagem nunca estava a contento e a roupa nunca combinava com o sapato. Pensou em deixar o celular em casa pra não perdê-lo – ou seria por medo dele ligar?

Ele entrou e encontrou a mesa na qual assistiria ao show. Talvez fosse a mesa na qual buscaria o melhor ângulo para ficar observando o que mais lhe interessava naquela noite – e não era necessariamente o show.

Ela entrou sem olhar para o lado. Encontrou sua mesa. Fixou o olhar no palco, ainda vazio.

*** 


quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Todos estão surdos

Há 2 dias do ‘Fim do Mundo’, quem sabe o Maias não tenham dito apenas o mesmo que Roberto & Erasmo?



TODOS ESTÃO SURDOS
Roberto Carlos & Erasmo Carlos

Desde o começo do mundo
Que o homem sonha com a paz
Ela está dentro dele mesmo
Ele tem a paz e não sabe
É só fechar os olhos e olhar pra dentro de si mesmo

Tanta gente se esqueceu
Que a verdade não mudou
Quando a paz foi ensinada
Pouca gente escutou
Meu Amigo volte logo
Venha ensinar meu povo
O amor é importante
Vem dizer tudo de novo

Outro dia, um cabeludo falou:
"Não importam os motivos da guerra
A paz ainda é mais importante que eles."
Esta frase vive nos cabelos encaracolados
Das cucas maravilhosas
Mas se perdeu no labirinto
Dos pensamentos poluídos pela falta de amor.
Muita gente não ouviu porque não quis ouvir
Eles estão surdos!

Tanta gente se esqueceu
Que o amor só traz o bem
Que a covardia é surda
E só ouve o que convém
Mas meu Amigo volte logo
Vem olhar pelo meu povo
O amor é importante
Vem dizer tudo de novo

Um dia o ar se encheu de amor
E em todo o seu esplendor as vozes cantaram.
Seu canto ecoou pelos campos
Subiu as montanhas e chegou ao universo
E uma estrela brilhou mostrando o caminho
"Glória a Deus nas alturas
E paz na Terra aos homens de boa vontade"

Tanta gente se afastou
Do caminho que é de luz
Pouca gente se lembrou
Da mensagem que há na cruz
Meu Amigo volte logo
Venha ensinar meu povo
Que o amor é importante
Vem dizer tudo de novo

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

1 ano sem Piza

Por Caio Lafayette

No dia 31 de Dezembro de 2011 perdemos uma das melhores mentes que o Brasil produziu nos últimos anos: Daniel Piza. O jornalista, escritor e artista plástico comentava e escrevia sobre futebol com a mesma didática e qualidade com que dissertava sobre música clássica e literatura. Foi um ícone do que chamamos de Jornalismo Cultural. 


Aproveito o clima de fim de ano para homenagear este que eu tanto admirava e, também, festejo o fato da literatura não perder mais um de seus ícones, Luís Fernando Veríssimo, que recebeu alta do hospital onde estava internada desde o dia 21 de Novembro. 



DE PRESENTES E AUSÊNCIA 
Texto de Daniel Piza, de 25 de Dezembro de 2011, um dos últimos publicados antes de sua morte. 

Nesta época é comum ver, além das retrospectivas, os apelos piegas ao tal espírito natalino, abusos de expressões como “renovar esperanças”, previsões furadas de astrólogos, tarólogos e outros loucos, textos que lamentam onde estão os natais d’antanho, mensagens de boas festas com listas de virtudes. Meu impulso é perguntar por que as pessoas não procuram ser assim o ano todo, e não apenas no solstício que foi apropriado pela religião e pelo folclore para se tornar uma data paradoxal em que se discursa sobre bons sentimentos enquanto se consome em ritmo febril; até mesmo os nacionalistas se calam diante do fato de que a festa não tem cara do calor de 34 graus. E então me ponho a pensar em como generosidade e respeito, para ficar só nesses dois itens, andam em falta nos tempos atuais, especialmente nas grandes cidades, e em como a tecnologia que deveria nos aproximar nos tem dispersado. Mas lembro os Natais de infância, comparo com o dos meus filhos e as diferenças se tornam irrelevantes, porque os prazeres e as questões são muito parecidos. E os dias deliciosamente desocupados, desacelerados, convidam ao balanço do ano, ainda que tenha tido tantas tristezas em meu caso, e sem balanço não há avanço.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

O conquistador da América


#SPFC #Campeão #SulAmericana  #ObrigadoLucas 


“Não é o São Paulo que vai voltar a disputar a Libertadores em 2013; é a Libertadores que vai voltar a ser disputada.”


segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

O infinito se curva a Oscar Niemeyer


“Se a reta é o caminho mais curto entre dois pontos, a curva é o que faz o concreto buscar o infinito.”




Não precisamos ir pra Brasília pra conhecer um pouco da obra de Oscar Niemeyer. Veja 5 obras do arquiteto em São Paulo:


Auditório Ibirapuera 

Avenida Pedro Álvares Cabral, 0 - Parque do Ibirapuera - Portão 3 - Ibirapuera 






Oca do Ibirapuera 
Avenida Pedro Álvares Cabral, 0 - Parque do Ibirapuera - Portão 3 - Ibirapuera 




EdifícioCopan 
Avenida Ipiranga, 200 - República


Edifício Triângulo 
R. José Bonifácio, 24, Sé, Centro



Memorial da América Latina 
Avenida Auro Soares de Moura Andrade, 664 - Barra Funda



“A gente tem que sonhar, senão as coisas não acontecem.”

Esta charge do Jorge Braga foi feita originalmente para 'O Popular On Line'

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

O que é PIB e como é calculado?

Reportagem publicada no Jornal O ESTADO DE SÃO PAULO em 30 de Novembro de 2012.

O Produto Interno Bruto (PIB) é usado para medir a atividade econômica do país. Quando há queda de dois trimestres consecutivos no índice, a economia está em recessão técnica. Os economistas costumam dizer que o PIB é um bom indicador de crescimento, mas não de desenvolvimento, que deveria incluir outros dados como distribuição de renda, investimento em educação, entre outros aspectos.

É possível calcular o PIB de duas maneiras. Uma delas é pela soma das riquezas produzidas dentro do país, incluindo nesse cálculo empresas nacionais e estrangeiras localizadas em território nacional. Nesse cálculo entram os resultados da indústria (que respondem por 30% do total), serviços (65%) e agropecuária (5%). Entra no cálculo apenas o produto final vendido, ou seja, um carro e não o aço e ferro da produção. Evita-se, assim, a contagem dupla de certas produções.
Outra maneira de medir o índice é pela ótica da demanda, ou seja, de quem compra essas riquezas. Nesse caso, são considerados o consumo das famílias (60%), o consumo do governo (20%), os investimentos do governo e de empresas privadas (18%) e a soma das exportações e das importações (2%). Esses dois cálculos devem sempre chegar ao mesmo resultado.

No Brasil, o cálculo do PIB é feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), instituição federal subordinada ao Ministério do Planejamento, desde 1990. Antes disso, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) era responsável pela medição.

Quando o PIB é divulgado, junto, também podemos ouvir sobre a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), que é justamente a conta de investimentos do PIB e mede o quanto as empresas aumentaram os bens de capital – aqueles que servem para produzir outros bens, como máquinas, equipamentos e construção civil.



terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Não, porque nem sempre!

A inesquecível entrevista de Rodrigo Amarante, integrante da banda Los Hermanos, em coletiva de imprensa no Festival de Inverno de Vitória da Conquista.


quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Ela é linda, mas não tem nome

Por Caio Lafayette

Encontrei esse texto há quase 4 anos quando navegava por alguns blogs. Não sei se o autor é o dono do blog, ou se ele copiou de algum lugar. Não importa. O que importa é que, naquele momento, o texto fez bastante sentido pra mim. Talvez faça sentido pra algum dos leitores agora.


ELA É LINDA MAS NÃO TEM NOME




Assim como muitos meninos sempre imaginei como seria a mulher perfeita…

Não aquela Angelina Jolie, que não conhecemos e que todos queremos ficar, mas a companheira ideal, lembra? Aquela pra se conviver por uma vida ou mais… será que existe?

A cada namorada, a cada mulher que conhecemos levamos algo conosco, aquela famosa “bagagem” que muitas vezes não é algo que gostamos e temos a certeza que não queremos para nós; e isso é muito mais importante.


Companheiras todas são, cada uma à sua maneira, mas mulher ideal não precisa ser a perfeitinha, aquela criada num Castelo à espera de um príncipe encantado mas alguns pontos são cruciais na escolha de uma companheira/namorada ideal.

Ela não precisa saber escutar, porque eu não falo muito, mas precisa ter idéia do que eu estou falando; concordar e discordar é o de menos, mas tem que ter idéias próprias, opinião… isso me faria acreditar que ela me escolheu por algum motivo – lógico ou ilógico. É… inteligência faz parte da minha mulher perfeita; mas não apareça uma intelectualóide, devoradora de livros, prefiro uma que saiba apenas diferenciar um quadro de Picasso de uma escultura de Michelangelo, aquela que quase implora para eu acompanhá-la a uma comédia romântica no cinema, pra ficar de mãos dadas com ela e achar aquilo, como diria uma amiga… fofo. Sim, uma que saiba indicar Madagascar, Deu a Louca na Chapeuzinho, Shrek ou Nemo, porque são engraçados e, ao mesmo tempo, são inteligentes.

terça-feira, 27 de novembro de 2012

MURICY E SELEÇÃO: EU SOU MAIS FELIPÃO

Por Caio Lafayette



Novembro vai chegando ao fim com uma boa notícia: Mano Menezes não é mais técnico da Seleção Brasileira.

A considerar a importância do cargo, às vezes comparável ao do Presidente da República para o apaixonado torcedor brasileiro, esse foi o melhor acontecimento do ano.

Mano Menezes não convenceu. Mais do que isso, colocou em dúvida sua ética com inúmeras convocações muito discutíveis. Já vamos chegar lá. Antes disso, vale frisar que ele era a segunda opção da CBF – Muricy Ramalho não aceitou o convite – e o seu currículo é insuficiente para ser alçado a técnico da mais importante Seleção do mundo – ganhou duas vezes a Série B e uma vez a Copa do Brasil, um campeonato do segundo escalão em nível nacional.

Quanto às convocações no mínimo ‘estranhas’, podemos relembrar Jucilei na 1ª lista. Jucilei era reserva do Corinthians, treinado pelo mesmo Mano Menezes. Ele foi convocado, o titular não. Pouco depois foi vendido pro exterior. André Santos viveu situação parecida. Foi convocado inúmeras vezes, sempre atuando como titular. Perdemos, no mínimo, dois jogos depois de erros infantis do lateral. Ele continuou titular. Foi vendido para o Arsenal e nunca mais apareceu na lista de Mano Menezes. Nem na reserva. Estranho? No mínimo.

Os resultados também não ajudaram. Derrotas para as principais seleções, empates com as medianas e vitórias chatas contra países onde o futebol praticamente não existe. Pra piorar, Mano nunca foi um ‘poço’ de simpatia. Nem o torcedor mais apaixonado pela tradição da ‘amarelinha’ se empolgou com o time no pouco mais de 2 anos dessa era.

A verdade é que Mano Menezes foi tarde.


O primeiro nome a despontar como possível substituto é o de Muricy Ramalho, multicampeão em solos brasileiros e ex-preferido da CBF. Mas antes de falar do Muricy, uma breve análise sobre algumas outras opções.

Vanderlei Luxemburgo sempre será lembrado. É um excelente técnico, mas atualmente é pior do que acha ser. Modernizou-se pouco. A vez dele já foi.

Abel Braga é o típico boleiro. Atinge bons resultados com seus times, o retrospecto prova isso. Mas não sei se contaria com o apoio popular – nunca treinou um time do Estado de São Paulo, por exemplo.

Guardiola é o sonho de muitos. Realmente seria interessante tê-lo como treinador. Experimentar uma nova proposta. Seria arriscado, porém. Ele tem no currículo apenas um trabalho, que apesar de excelente, foi no Barcelona de Messi e Cia. Pesa contra ele ser estrangeiro e termos pela frente uma Copa no Brasil. A escolha deve ficar aqui no Brasil, acredito.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Agoniza Literatura!



Inspirado em Veríssimo, uma vez decidi escrever 10 verdades que eu considerava irreversíveis. As escolhas incluem frases famosas ou representações delas, chavões, entre outros. E nem sei mais se as considero tão verdadeiras - escrevi há 3 anos. De toda maneira, em homenagem a esse mestre das crônicas, reproduzo o publicado agora.

  1. Amor e paixão são coisas totalmente diferentes.
  2. Apenas as crianças são totalmente livres, pois não têm medo do ridículo.
  3. De fato, é inútil ter certeza. A dúvida é muito mais excitante.
  4. Discussões sobre política, futebol e religião nunca nos levam a conclusão alguma.
  5. Amigos vão e vêm, mas existem uns poucos e bons de que não podemos abrir mão.
  6. O essencial é invisível aos olhos.
  7. Nossa vida corre em ordem inversa. Deveríamos morrer primeiro pra depois curtir tudo de bom (e ruim) que ela nos reserva.
  8. O ser humano tem por essência temer o ‘novo’.
  9. O ‘par perfeito’, ‘tampa da panela’, ‘amor da vida’ ou seja lá como se queira definir, não existe! Portanto, curta os momentos como se não houvesse amanhã.
  10. No fim, tudo é uma piada…


Texto Original, por Luis Fernando Veríssimo:

Dez Coisas que Levei Anos Para Aprender

  1. Uma pessoa que é boa com você, mas grosseira com o garçom, não pode ser uma boa pessoa.
  2. As pessoas que querem compartilhar as visões religiosas delas com você, quase nunca querem que você compartilhe as suas com elas.
  3. Ninguém liga se você não sabe dançar. Levante e dance.
  4. A força mais destrutiva do universo é a fofoca.
  5. Não confunda nunca sua carreira com sua vida.
  6. Jamais, sob quaisquer circunstâncias, tome um remédio para dormir e um laxante na mesma noite.
  7. Se você tivesse que identificar, em uma palavra, a razão pela qual a raça humana ainda não atingiu (e nunca atingirá) todo o seu potencial, essa palavra seria "reuniões".
  8. Há uma linha muito tênue entre "hobby" e "doença mental".
  9. Seus amigos de verdade amam você de qualquer jeito.
  10. Nunca tenha medo de tentar algo novo. Lembre-se de que um amador solitário construiu a Arca. Um grande grupo de profissionais construiu o Titanic.

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Carta aberta: “Vamos em frente!”

A Democracia é, dentre os regimes políticos, o que permite a participação decisória da maioria. Por 480 anos, buscou-se sua instalação no Brasil, cristalizada em três acontecimentos: o movimento das “Diretas, Já!”, em 1984; a eleição de Tancredo Neves para a Presidência da República, em 1985; e a promulgação da Constituição, em 1988.
Nesses eventos a participação de algumas pessoas foi fundamental. São elas as mesmas figuras que fundaram o Partido da Social Democracia Brasileira – o PSDB.
Partidos políticos têm grande importância na lógica da Democracia (não fosse isso, as candidaturas a cargos eletivos se dariam individualmente). Pessoas com pensamento semelhante, isto é – com uma ideologia – se reúnem em agremiações, que têm a missão de elaborar um programa, com caráter permanente, onde explicita seus princípios e valores. Além da doutrina, a principal missão dos partidos é a de construir soluções que melhorem a vida das pessoas, sistematizadas em programas de governo, que são momentâneos e adaptados aos lugares que se pretende administrar – cidades, estados e um país.
As eleições são a vitrine dos planos de governo dos diferentes partidos – por meio delas, a sociedade os compara e escolhe o que melhor lhe convier (viver em torno de eleição, como se ela fosse um objetivo e não um mecanismo, é um fator que prejudica muito a política). Quem ganha, aplica seu plano de governo; quem perde, fiscaliza a aplicação.
Ainda nessa linha de raciocínio, os partidos políticos são organizados em diferentes instâncias de poder (diretórios e coordenações executivas). Além das responsabilidades burocráticas, eles são essenciais para o cumprimento das funções descritas acima, valorizando a figura central do processo: o militante.
O PSDB nasceu com base nessa lógica e contestando uma velha prática (o que as três primeiras páginas do programa de 1988 evidenciam): disputa de poder pelo poder, plano de governo tirado da cartola, pragmatismo, campanhas eleitorais frágeis e vazias. Vinte e quatro anos depois e governos ocupados, cabe uma reflexão: estamos fazendo o que condenávamos?
Como se vê, não é uma afirmação, mas um convite à reflexão. Qual é nosso projeto para o Brasil? Demos nossa contribuição, capitaneados por Fernando Henrique; e sendo ele um dos grandes vanguardistas dos quadros partidários, temos a certeza de que concordaria com a afirmação: “Para frente é que se anda!”. Afinal, em vários tópicos do nosso programa, enfatizam-se os termos: simples, claro, objetivo e moderno.
Nesse sentido, na linha da tão falada “renovação”, o Conselho Político do Secretariado de Juventude do PSDB do Estado de São Paulo se reuniu e colocou o tema em pauta. Dessa discussão, ocorrida no último dia 10 no plenário José Bonifácio da Assembleia Legislativa, saíram avaliações e propostas de militantes dos quatro cantos da terra paulista, que sintetizamos em três pontos fundamentais:


terça-feira, 13 de novembro de 2012

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Uns riem; outros choram

Parabéns para o Fluminense, merecidamente campeão Brasileiro por antecipação.

Ao Palmeiras resta repensar sua práticas e planejar 2013 - na Série B.


sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Monotrilho de SP é feito com tecnologia de avião

Texto publicado na página Uol Economia, em 06 de Novembro de 2012.



Previsto para ser inaugurado em 2013, o monotrilho que funcionará na zona leste de São Paulo é um trem com pneus feito com a mesma tecnologia usada em aviões. Ele é produzido pela empresa canadense Bombardier, concorrente da Embraer na área de aviação. O monotrilho é de alumínio, em vez de aço, o que o torna mais leve. A expectativa é que o sistema transporte meio milhão de pessoas por dia.

A linha Expresso Monotrilho Leste vai ligar os bairros de Vila Prudente e Cidade Tiradentes, formando a Linha 15 - Prata do Metrô. As empresas OAS e Queiroz Galvão são as responsáveis pelas obras de infraestrutura, que consiste na montagem de vigas de até 15 metros de altura, onde serão colocados os trilhos.
Os 53 trens que serão usados no sistema são fabricados pela Bombardier numa fábrica inaugurada em abril em Hortolândia (109 km a noroeste de São Paulo). O objetivo da empresa é transformar o local em um centro mundial de produção de monotrilhos de alta capacidade.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

13º Projeta Brasil



Desde 2000, a Cinemark comemora o Dia do Cinema Nacional com o evento ‘Projeta Brasil Cinemark’. A Rede reserva uma segunda-feira do mês de novembro para exibir filmes nacionais, em todo país, por um preço simbólico. O critério de escolha dos títulos leva em consideração filmes exibidos pela Cinemark durante o ano, envolvendo os mais diversos gêneros. A iniciativa está ligada a outros projetos da empresa para aumentar a participação da produção nacional nas bilheterias da rede e, ao mesmo tempo, reaproximar o cinema brasileiro do grande público. A renda líquida total, por parte de distribuidores, produtores e da própria Cinemark, é destinada a projetos diretamente ligados ao cinema nacional, como a premiação de longas e curtas-metragem, apoio a festivais, restauração de cópias, realização de campanhas e outros.

Este ano, acontece a 13ª edição do projeto, na Segunda-feira próxima, dia 12 de Novembro. 

Confira os filmes que estarão em cartaz.


VOU RIFAR MEU CORAÇÃO

  
Documentário que trata do imaginário romântico, erótico e afetivo brasileiro a partir da obra dos principais nomes da música popular romântica, também conhecida como brega. Letras de músicas de artistas como Odair José, Agnaldo Timóteo, Waldick Soriano, Evaldo Braga, Nelson Ned, Amado Batista e Wando, entre outros, formam verdadeiras crônicas dos dramas da vida a dois. Em Vou rifar meu coração, os temas destas músicas se relacionam com as histórias da vida amorosa de pessoas comuns, enfrentando o desafio de falar sobre a intimidade de pessoas reais, em situações reais.


COLEGAS

  
Três amigos portadores da síndrome de Down vão superar suas limitações para correr atrás de seus maiores sonhos. Um dia, inspirados pelo filme Thelma & Louise, o grupo foge no antigo carro do jardineiro (Lima Duarte) e parte numa viagem que tem a felicidade como objetivo. Márcio deseja voar como um pássaro, Aninha espera arrumar um bom partido para se casar e Stalone só quer ver o mar pela primeira vez. Eles vão viver diversas aventuras juntos e descobrir que a liberdade é um direito de todos.


E A VIDA CONTINUA...


Ernesto (Luiz Bacelli) tem 50 anos e carrega consigo uma tragédia do passado, a qual esconde através de um sorriso bem humorado. Ele conhece Evelina (Amanda Acosta), de 25 anos, ao ajudá-la na estrada, após o carro dela enguiçar. Ambos estão indo ao mesmo hotel e, aos poucos, constroem uma amizade sólida baseada também nas dificuldades enfrentadas ao longo da vida, já que Evelina está machucada emocionalmente devido à infidelidade do marido.


GONZAGA – DE PAI PRA FILHO


Decidido a mudar seu destino, Gonzaga sai de casa jovem e segue para cidade grande em busca de novos horizontes e para apagar uma tristeza amorosa. Lá, ele conhece uma bela mulher, Odaléia (Nanda Costa), por quem se encanta. Após o nascimento do filho e complicações de saúde da esposa, ele decide voltar para a estrada para garantir os estudos e um futuro melhor para o herdeiro. Para isso, deixa o pequeno aos cuidados de amigos no Rio de Janeiro e sai pelo Brasil afora. Só não imaginava que essa distância entre eles faria crescer uma complicada relação, potencializada pelas personalidades fortes de ambos. Baseada em conversas realizadas entre pai e filho, essa é a história do cantor e sanfoneiro Luiz Gonzaga, também conhecido como O Rei do Baião ou Gonzagão, e de seu filho, popularmente chamado de Gonzaguinha.

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Estado de São Paulo em Foco


Por Caio Lafayette

São Paulo ainda é motor da economia do Brasil, o Estado mais desenvolvido e o berço da ‘miscelânea’ cultural e artística. Há quase 20 anos sob o comando do mesmo partido, o PDSB, cabe a esse a responsabilidade de boa parte de seu grande desenvolvimento – iniciada com Mário Covas, após receber de seu antecessor um Estado ‘quebrado’, colocou São Paulo de volta nos trilhos. Os problemas, claro, também são de responsabilidade do mesmo partido – natural que sejam. Questões de mobilidade e segurança talvez sejam os maiores exemplos do que ainda pode ser melhorado.

Aproxima-se 2014, ano em que o PSDB tentará reeleger o Governador Geraldo Alckmin para mais 4 anos de mandato. E a eleição municipal terminada há dias começa a desenhar o quadro da disputa que ocorrerá daqui a dois anos.

De maneira geral, ainda é cômoda a situação do atual Governador, como podemos notar no ‘Novo Mapa Eleitoral no Estado de SP’.


Mas valem dois destaques, que se complementam, e que colocam a reeleição de 2014 em situação mais complicada do que tem sido nas últimas disputas para o Governo do Estado. 
  •       Apesar de sobressair-se em número de municípios, a base aliada do Governo corresponde a pouco mais da metade dos eleitores do Estado – exatos 54%. Isso é reflexo do próximo tópico.
  •     Das dez maiores cidades do Estado, a oposição comandará, entre 2013 e 2016, 7 delas. 


1.               São Paulo – OPOSIÇÃO (PT)
2.               Guarulhos – OPOSIÇÃO (PT)
3.               Campinas – ALIADO (PSB)
4.               São Bernardo do Campo – OPOSIÇÃO (PT)
5.               Osasco – OPOSIÇÃO (PT)
6.               Santo André – OPOSIÇÃO (PT)
7.               São José dos Campos – OPOSIÇÃO (PT)
8.               Sorocaba – ALIADO (PSDB)
9.               Ribeirão Preto – OPOSIÇÃO (PSD)
10.            Santos – ALIADO (PSDB)

Além dos dois tópicos expostos, saltam aos olhos a discrepância desses resultados em relação há 4 anos, quando a base aliada venceu em cidade cujo eleitorado somava 82% de todo o Estado.

***

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Os recados das urnas


Por Caio Lafayette 

Chegou ao fim mais um processo eleitoral em nosso país. Mais uma vez, de maneira exemplar, como tem sido há alguns anos e, principalmente, desde a adoção da moderna urna eletrônica, que facilita não só o voto em si, mas também a apuração desses. Vale destacar, por exemplo, que em Curitiba, às 17h30m, pouco depois do encerramento das votações, já tínhamos quase 80% dos votos apurados – incrível e inimaginável há alguns anos atrás.

Mas não é só a urna eletrônica que merece destaque. Com a democracia cada dia mais enraizada nos costumes e ideários de nossa população, as eleições municipais vão sendo ainda mais importantes para o cenário das eleições por vir daqui a dois anos – quando escolheremos nossos representantes estaduais e federais.

E, nesse sentido, farei algumas observações, que nada mais são do que percepções e sentimentos meus. Percepções a nível nacional, na maioria dos casos. Reservarei um novo post pra falar do Estado de São Paulo, em específico e, por fim, outro pra destrinchar um pouco mais os resultados do partido do qual faço parte, o PSDB.


  • O NOVO LÍDER: EDUARDO CAMPOS 




O principal destaque da eleição de 2012 foi o PSB. Na verdade, o PSB e o seu Presidente Nacional, Eduardo Campos, Governador de Pernambuco. Se ainda existia alguma dúvida do potencial de Campos, as urnas comprovaram que no Nordeste, onde ele coloca a ‘cara’ é quase imbatível. Isso, inclusive, considerando o carisma de Lula, que perdeu TODAS que disputou com o Governador Pernambucano. O exemplo mais claro foi Recife, onde o candidato do ex-Presidente começou a campanha tendo larga vantagem e, no fim, ficou em 3º, vendo o candidato do PSB levar a disputa ainda no 1º turno. Mas não é só no Nordeste que o PSB cresceu. Manteve Belo Horizonte e ganhou em Campinas, expandindo sua força para a região Sudeste. Aumentou em quase 50% o número de prefeitos em todo o Brasil e governará, a partir de 2013, mais de 15 milhões de eleitores brasileiros. Considerando os resultados obtidos, o PSB, e Campos, devem ter papel principal na eleição de 2014, e não mais de coadjuvante. 


quinta-feira, 25 de outubro de 2012

PROGRAMA DE GOVERNO – SERRA PREFEITO


Li todo o Programa de Governo do candidato José Serra e destaquei os itens que considerei mais importante, de maneira a facilitar a leitura e o entendimento sobre as propostas deste, que é o candidato que apoio. Restringi em no máximo 5 e no mínimo 3 tópicos em cada item. Vale ressaltar que o Programa é ainda mais completo e você o encontra na íntegra neste link - http://albertogoldman.org/wp-content/uploads/2012/10/Programa-de-Governo-Serra-Prefeito.pdf

Considero importante, também, que a leitura das propostas seja feita da maneira mais imparcial possível. Haverão discordâncias de opiniões e prioridades, claro, mas não há dúvida que muita coisa aqui descrita pode trazer grandes benefícios para a cidade de São Paulo.

Não tive acesso ao Programa de Governo do candidato adversário na íntegra, portanto não utilizo nem menciono nenhum tipo de comparativo. Não tenho dúvidas que lá, também, existem boas propostas que podem ser aproveitadas. A diferença, porém, está na capacidade de colocar em prática as ideias e, nesse caso, acredito que o candidato José Serra é o mais competente para isso.

Os tópicos são:
  • ·        Saúde
  • ·        Educação
  • ·        Transporte e Mobilidade
  • ·        Habitação
  • ·        Meio Ambiente, Drenagem e Saneamento
  • ·        Desenvolvimento Urbano
  • ·        Economia e Trabalho
  • ·        Zeladoria Urbana e Serviços
  • ·        Gestão, Orçamento e Finanças
  • ·        Segurança
  • ·        Desenvolvimento social, Direitos Humanos e Cidadania
  • ·        Pessoa com Deficiência
  • ·        Cultura
  • ·        Esporte e Lazer
  • ·        Turismo


quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Caminhada da Vitória



A caminhada está sendo organizada pelo Vereador eleito na cidade de São Paulo, Andrea Matarazzo. Pra quem não sabe, entre outras experiências no serviço público, Andrea ocupou a Secretaria de Cultura do Estado, onde trabalhou para democratizar e levar a Cultura ao interior, promovendo espetáculos gratuitos ou a preços populares – com o Circuito Cultural Paulista e apresentações da OSESP – e liderou programas como as Fábricas de Cultura e o 'Revelando São Paulo'.

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

A Zelite

Há poucos dias escrevi sobre o julgamento do 'Mensalão' com o texto 'aZelite' - http://caiolafayette.blogspot.com.br/2012/10/azelite.html . O texto, inclusive, foi publicado no site da JPSDB-SP, na coluna 'Jovem Tucano' - http://jpsdb-sp.org.br/noticias/coluna-do-jovem-tucano-azelite .

Ontem João Ubaldo Ribeiro escreveu para o Estadão 'A zelite'. Transmissão de pensamentos? Talvez. Mas na verdade sou fã do João Ubaldo e o meu texto se inspirou no termo por ele criado 'Zelite'.


Portanto, confiram o texto dele.


A ZELITE

Por João Ubaldo Ribeiro

Vejamos aqui, que novidades há, neste que espero ser um domingo ensolarado e ameno, em que o distinto leitor e a cativante leitora (cartas sobre como estas designações são machistas devem, por caridade, ser encaminhadas ao editor) possam tirar muito proveito do que ainda nos dadiva a Natureza? Não muitas, acho eu. Talvez as novidades mesmo estejam nas páginas de medicina ou ciência dos jornais, onde sempre anunciam o sensacional estudo que desmente outro sensacional estudo de anos atrás, como acontece principalmente em relação a alimentos. A notícia mais recente, se não me trai outra vez a vil memória, é a respeito do camarão. Parece que aboliram a vingança do camarão. A vingança do camarão estava em que o freguês podia comê-lo, mas, em compensação, o colesterol entrava em órbita. Agora não mais, pelo menos até realizarem novo estudo. Periodicamente, a verdade científica vira mentira e, pensando bem, não há grandes novidades nem nas páginas de ciência.

E, infelizmente, não são tampouco grande novidade os acontecimentos terrificantes em hospitais. De cabeça, lembro agora o da senhora que mataram, injetando-lhe café com leite na veia. Anteriormente, em outro hospital, um paciente morreu, após lhe darem sopa também por via endovenosa. Mataram um terceiro, trocando por glicerina o soro que receberia. Administraram a recém-nascidos remédio contra verrugas por via oral, causando lesões horrendas e permanentes. Amputaram por engano o braço de um bebê. E, como é de nossa prática de povo cordial, tolerante e compreensivo, não vai haver responsáveis em qualquer desses casos e de inúmeros outros como eles, muito menos reparação para as vítimas. Nenhuma novidade.

No setor das grandes questões nacionais, o julgamento do mensalão se aproxima do fim, grande parte do suspense inicial já se foi e agora o que se espera é, no interessante dizer do comentarista que escutei no rádio de um táxi, a customização das penas, ou seja, a definição das punições que receberá cada um dos réus condenados, por sinistro desígnio da zelite. Acho difícil haver um problema que não tenha sido causado pela ação da zelite, é um grande achado. E talvez nele esteja, afinal, uma novidade. Não muito importante, quiçá, mas, na falta de outra, quebra o galho. Creio que já podemos cogitar da inclusão de "zelite" nos dicionários como mais um coletivo da lavra popular, com a observação de que por enquanto leva o predicado ao plural, mas no futuro talvez perca essa peculiaridade. Acredito que logo estaremos dizendo coisas como "a zelite não vai aceitar" ou "ele pertence à zelite paulista". Não deixa de ser uma contribuição ao vocabulário da perseguida língua portuguesa.

Resta, porém, definir direito o que é zelite. Não é muito fácil, pelo menos para quem acompanha o noticiário brasileiro. Por enquanto, lembra um pouco o que sucede com a palavra "democracia" e cognatas. Qualquer regime - e tem sido assim em toda a História contemporânea - pode apregoar ser uma democracia. A Alemanha Oriental era a República Democrática Alemã e a Coreia do Norte é oficialmente a República Democrática Popular da Coreia. Fenômeno semelhante acontece com a zelite, na direção oposta. É desejável ser democrático e é odioso ser da zelite; elogia-se com o primeiro e xinga-se com a segunda.



quarta-feira, 17 de outubro de 2012

36ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo


A partir de Sexta-Feira, 19 de outubro, até 2 de novembro, acontece em São Paulo a tradicional Mostra Internacional de Cinema. Durante duas semanas serão exibidos cerca de 350 títulos de mais de 60 países e diversas cinematografias em 28 espaços entre salas de cinema, museus e instituições culturais espalhados pela capital paulista. A seleção deste ano faz um apanhado do que o cinema contemporâneo mundial está produzindo, além das principais tendências, temáticas, narrativas e estéticas produzidas em todo o mundo.

Tive o cuidado de ler a sinopse de TODOS os filmes que serão exibidos e fiz uma lista dos 10 que mais me interessaram. Divido com vocês, leitores, a lista e sugiro que entrem no site oficial da Mostra e façam as suas próprias listas.

*(A lista está em ordem alfabética)*


A PARTE DOS ANJOS
2012                Ficção             Reino Unido, França, Bélgica, Itália              101 min.


Neste misto de comédia e crítica social, Robbie é um rapaz de Glasgow perseguido pelo seu passado de delinquente. Ele e os amigos Rhino, Albert e a jovem Mo escapam por pouco de serem presos, mas acabam sendo punidos com uma pena de trabalhos comunitários. Henri, o educador responsável por eles, torna-se então o seu novo mentor, iniciando-os na arte do uísque. De destilarias a sessões de provas selecionadas, Robbie descobre um talento real de provador, conseguindo identificar as colheitas mais excepcionais e mais caras. Com esse novo talento em mãos, Robbie precisa escolher um caminho na vida: continuar a sua vida de pequenos delitos e violência ou investir num futuro mais promissor. Vencedor do Prêmio do Júri no Festival de Cannes.

           
A RIQUEZA DO LOBO
2012                Ficção             França                        86 min.


Olaf desapareceu. A única coisa que ele deixou para sua namorada Marie foi uma caixa de fitas com centenas de horas gravadas nos últimos sete anos da sua vida, junto com um caderno de anotações. Dia a dia, ela assiste essas imagens, esses fragmentos de uma vida, e tenta reconstruir a jornada do homem que ela ama para entender melhor a sua partida.


CINE HOLLIÚDY
2012                Ficção             Brasil              91min.


A chegada da TV no interior do Ceará, na década de 70, colocou em xeque as salas de cinema das pequenas cidades. Mas um herói chamado Francisgleydisson resolveu lutar para manter viva sua paixão pela sétima arte. Suas armas: criatividade e o bom humor cearense.


EL GUSTO
2011                Documentário            Argélia, França, Irlanda                      88 min.


Uma orquestra de músicos judeus e muçulmanos separados pela guerra se reúne 50 anos depois do evento para levar ao palco um último concerto. Esses homens ajudaram a provar que a universalidade da música pode transcender todas as diferenças e preconceitos. No mundo moderno onde conflitos separam comunidades, destacando suas diferenças, essa reunião excepcional serve para lembrar a geração mais jovem da importância de uma coexistência cultural e religiosa.

  
EU NÃO FAÇO A MENOR IDEIA DO QUE EU TÔ FAZENDO COM A MINHA VIDA
2011                Ficção             Brasil              90min.


Clara escolheu fazer medicina na faculdade pelo simples fato de que toda a sua família é formada por médicos respeitados. Não era o que queria, mas ela também não sabe se existe alguma profissão específica com a qual realmente se identifique. Começa então a matar aulas sem contar para os pais ou para o namorado. Em sua nova rotina matinal, acaba notando que talvez ela não seja a única se sentindo perdida na vida.

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Integração gratuita em Corinthians-Itaquera e Tatuapé

O governador Geraldo Alckmin anunciou nesta segunda-feira, 15, a gratuidade na integração nas estações Corinthians-Itaquera e Tatuapé, da Linha 3-Vermelha do Metrô com as linhas 11-Coral e 12-Safira da CPTM, e vice-versa. A medida será válida a partir de 22 de outubro, somente para quem embarcar das 11h às 15h e à noite, a partir das 21h durante a semana. Aos sábados, a integração valerá a partir das 15h. Nos domingos e feriados, será liberada durante todo o horário de funcionamento dos trens. 


É válido ressaltar que a partir de ontem, 15, começou a valer a redução no valor das tarifas da Linha 5-Lilás do Metrô e 9-Esmeralda da CPTM, entre 9h e 10h, de segunda a sexta-feira. O desconto será de R$ 0,50 no valor da passagem. No período de um ano o usuário economizará R$ 132. 

Na ocasião, Alckmin entregou mais quatro trens modernizados do metrô. Até 2014, serão 90 (48 para a Linha 1-Azul e 42 para a Linha 3-Vermelha). O investimento total chega a R$ 1,75 bilhão. As novas composições ganharam ar-condicionado, câmeras de vigilância e sensores para detecção de fumaça, dentre outras melhoras. Alckmin afirmou que até o final de 2012 serão entregues mais três composições.

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

aZelite

Por Caio Lafayette

"É uma crise causada por comportamentos irracionais 
de gente branca de olhos azuis..." 

(Luiz Inácio Lula da Silva) 

A frase acima, dita por Lula quando ainda ocupava a cadeira da Presidência da República, tratava da crise econômica mundial, mas simboliza muito bem a maneira como o ex-Presidente lida com situações que não lhe convém: joga a culpa em alguém. Seja a mídia a culpada, a oposição, ‘aZelite’ de olhos azuis ou o Delúbio, ele nunca sabe de nada. 

E quando o maior escândalo de corrupção já visto no país estourou, em seu Governo, sobraram acusações. ‘Lulopetistas’ chegaram a dizer que havia uma conspiração golpista tentando tirá-los do poder, comparando a situação com o golpe de 64. 

Desde 2005, então, convivemos com a certeza de que o Mensalão existiu, mas a incerteza de se, um dia, os responsáveis seriam condenados. 




terça-feira, 2 de outubro de 2012

São Paulo entre Jesus e Dirceu

Texto publicado hoje, no Jornal O ESTADO DE SÃO PAULO. Vale a leitura.

O óbvio está tão ululante diante de nossos olhos, que nem vale a pena tentar análises 'profundas' de acontecimentos despercebidos, como se tudo fosse sutil e emaranhado. Não é. Permito-me ser coloquial como em uma indignação de botequim: o tempo passa, o tempo voa e o populismo continua numa boa. Em São Paulo, estamos entre dois populismos: um que se pode chamar de 'direita' e outro que (arggh...) chamaremos de 'esquerda'.

"E aí, cara" - digo com um gole de chope -, "como é que um sujeito como esse Russomanno pode ser prefeito de uma cidade como São Paulo? Um elemento sem a menor experiência administrativa, um 'malufista', apresentador de programas sensacionalistas, autoproclamado protetor de consumidores, com seu sorriso de 'Coringa' fixo na cara- como é que pode?"

Terá milhões de eleitores que são dominados mentalmente pelos donos dos infames supermercados da fé, donos também de casas, aviões e prédios em Miami comprados com o dízimo dos pobres. Eles comandam os ignorantes com seu poder místico para a retomada do ciclo "Ademar, Jânio, Maluf, Pitta", o populismo mais raso, mais primitivo. Seu ponta de lança é o Russomanno. Este é um fato gravíssimo: a 'islamização' da política sob dogmas da fé acrescenta um sabor medieval, oriental à demagogia. A ignorância política agrada muito aos comandantes do atraso, pois facilita o cabresto para as urnas e fortifica o evangelismo de mercado. Os 'bispos' de gravata não acreditam em Deus e só pensam nos bilhões que juntam em notinhas surradas nos bolsos vazios dos pobres que pagam para ter esperança.

Agora, a ignorância religiosa vai se casar com a ignorância política. Achávamos que as redes sociais modernizavam as pessoas, mas os Twitters e Facebooks só difundem a burrice geral: "bárbaros tecnizados" (Oswald).



terça-feira, 25 de setembro de 2012

Não somos a Europa!

Por Caio Lafayette


Ainda sem apresentar um Plano de Governo, há menos de 15 dias das eleições, o candidato do PRB Celso Russomano vai caindo em contradição a cada dia e divulgando propostas descabidas.

Prometeu baixar as tarifas dos táxis; reuniu-se com taxistas pra dizer que não foi bem compreendido. Prometeu rever todos os contratos da Prefeitura; correu atrás dos empresários e disse que manterá os acordos.

Agora ele afirma que implantará uma nova política tarifária para os ônibus de São Paulo, seguindo modelo utilizado em algumas grandes cidades da Europa como Madri, Roma, Copenhagen e Londres. A ideia consiste em uma cobrança de acordo com a distância percorrida pelo usuário, ou seja, quem anda mais, paga mais e quem anda menos, paga menos.

Como todas as suas propostas, que vêm sendo jogadas ao vento sem um mínimo de coerência, agrada ao público, mas se caracteriza como pura demagogia e, principalmente, desconhecimento da cidade a qual ele se candidata.

O motivo é simples: a dinâmica da nossa cidade – e de toda a Região Metropolitana de São Paulo – é distinta do exemplo utilizado na Europa. Hoje, o que chamamos de ‘centro expandido’ é o maior atrator de viagens e, também, também onde estão as pessoas com a maior renda. Em contrapartida, nas regiões mais distantes concentram-se as moradias de pessoas com menor renda, que precisam se deslocar ao centro, diariamente, em busca de emprego e estudo.