quinta-feira, 29 de março de 2012

Caiu número de leitores no País?

Por Caio Lafayette



Foto de: Amigos da Leitura

A terceira edição da pesquisa 'Retratos da Leitura no Brasil', divulgada hoje, concluiu que a população leitora diminuiu no País. Enquanto em 2007 55% dos brasileiros se diziam leitores, hoje esse porcentual caiu para 50%.

O critério adotado foi: são considerados leitores aqueles que leram pelo menos um livro nos três meses anteriores à pesquisa.

Decidi tocar nesse assunto para me posicionar quanto a esse critério.

Mas não acho justo separar e definir como não leitor os que não tem o hábito de ler livros. Tenho ciência de que as coisas mudaram, vivemos na 'era da informação' e somos bombardeados a todo momento com faixas, publicidade, notícias de última hora. Temos, também, as redes sociais, as correntes e os blogs com seu papel cada vez mais bem definidos. Os jornais eletrônicos, a capa do Uol e a revista de fofocas. E por ter essa ciência acredito que todas as categorias citadas, e muitas outras que eu devo ter esquecido, são tão dignas de reconhecimento como 'leitura' quanto os livros.

O que está em questão, nesse caso, é o hábito de ler. E a leitura transcende as páginas de livros, dos quais sou um 
grande defensor, do jeito que são e pra que servem. A palavra está em todo lugar e, ao invés de recriminar as formas em que ela se apresenta, deveríamos melhor utilizá-las.


quarta-feira, 28 de março de 2012

Millôr

Reproduzo, aqui, a homenagem de Marcelo Rubens Paiva (http://blogs.estadao.com.br/marcelo-rubens-paiva/milton/), ao "maior poeta do humor e filósofo brasileiro", Millôr Fernandes.













Foi-se o maior poeta do humor e filósofo brasileiro.

Com quem tive a honra de conviver quando criança no Rio de Janeiro.

Amigo de pôquer do meu pai.

Jogou botão comigo algumas vezes.

Com quem ia ao MARACA ver jogos da Seleção.

Ele e a sobrinhada.

Sempre com o sorriso estampado, gozador.

Do outro lado, ficava NELSON RODRIGUES emburrado.

Este BRASIL se vai.

E sobra aquele 1 pouco + medíocre.

Que dá Pânico…

Mal sabia eu que o Brasil já foi tão mais inteligente.

Inspirador.

Adios, Millôr…




"Se você agir sempre com dignidade, pode não melhorar o mundo, mas uma coisa é certa: haverá na Terra um canalha a menos."

(Millôr Fernandes)


segunda-feira, 26 de março de 2012

O fim das Prévias

Por Caio Lafayette


"Quando um partido tem um candidato mais forte, prefere o candidato mais forte." 

Fernando Henrique Cardoso


Ontem, dia 25 de Março, foi realizada a Prévia do PSDB que definiu seu candidato a Prefeito da maior cidade do país, São Paulo.

Após a desistência de Andrea Matarazzo e Bruno Covas quando da entrada de José Serra no processo, sobraram três postulantes a indicação partidária: José Aníbal, Ricardo Trípoli e o próprio José Serra.

O resultado prático das prévias foi: com mais de 6.200 votos em 58 locais de votação, o ex-Governador Serra recebeu 52,10% dos votos sagrando-se o vencedor; José Aníbal ficou em segundo lugar, com 31,20%, e Ricardo Trípoli em terceiro, com 16,70%.

Mas o resultado do processo de prévias vai muito além da soma que resulta em 100% - considerando os votos brancos e nulos. E é sobre eles que pretendo falar um pouco:



sexta-feira, 23 de março de 2012

É Tudo Mentira, Chico?

@MiltonNeves : Morre o Pelé do Humor!

O carioquíssimo futebolista Azambuja, que já jogou no Olaria, despeja malandragem pela cidade maravilhosa tentando descolar alguma uma grana para salvar o dia

quinta-feira, 22 de março de 2012

quarta-feira, 21 de março de 2012

Abaixo Chapeuzinho

Texto de: João Ubaldo Ribeiro


Como temos visto, parece estar na moda o Estado se meter cada vez mais na vida privada dos cidadãos. Na convicção de que existem, universalmente, comportamentos "certos" ou "corretos", tecnocratas fazem tudo para impingir-nos essa correção. É comum que sejam alegadas bases "científicas" para definições do normal e do desejável, com frequência misturando-se asininamente a neutralidade da ciência com valores que não têm, nem pretendem ter, fundamento científico, mas cultural, filosófico ou religioso. Acaba-se gerando - e suspeito que isso se vem intensificando - a expectativa de que todos assumam diante da vida a mesma atitude "normal" ou "sadia" e ajam sempre de acordo com ela. Se alguém não se encaixa nessa fôrma, não só padecerá de culpa e estresse, convencido de que, de alguma maneira, é um réprobo anormal ou doente, como, em atos cada vez mais numerosos, o Estado força o cidadão a proteger-se do que é oficialmente considerado danoso ou inapropriado, cerceando-lhe, "no seu próprio interesse", a liberdade. O Estado sabe o que é bom para nós e não temos o direito de contestá-lo.

terça-feira, 20 de março de 2012

Carro de Haddad parou no Itaim




Em meio a uma caravana rumo ao bairro Itaim Paulista, o carro da campanha do Fernando Haddad apresentou problemas e parou. Depois que Lula saiu de cena para tratar da saúde, o carro petista vinha apresentando problemas no motor de arranque e sofrendo um bocado para subir as ladeiras da cidade. Agora o motor 1.0 fundiu de vez e encontra-se parado, esperando pelo guincho do ex-presidente. Para piorar, quando acionou o seguro, Haddad se confundiu todo e disse que estava no bairro do Itaim Bibi, o que deve atrasar ainda mais o resgate… 


Do blog http://blogs.estadao.com.br/tragico-e-comico/ 

PMDBrutus

segunda-feira, 19 de março de 2012

Botando o bloco na rua

Está chegando a hora...

E nesses dois eu vou!



"Veja, você, onde é que o barco foi desaguar

A gente só queria um amor

Deus parece às vezes se esquecer...

Ai, não fala isso, por favor!
Esse é só o começo do fim da nossa vida
Deixa chegar o sonho, prepara uma avenida
Que a gente vai passar ..."



"Deixa ser
Como será quando a gente se encontrar?
No pé, o céu de um parque a nos testemunhar.
Deixa ser como será!
Eu vou sem me preocupar.
E crer pra ver o quanto eu posso adivinhar."



"Pra nós, todo o amor do mundo
Pra eles, o outro lado
Eu digo mal me quer
Ninguém escapa o peso de viver assim
Ser assim, eu não
Prefiro assim com você
Juntinho, sem caber de imaginar
Até o fim raiar."

sexta-feira, 16 de março de 2012

É proibido proibir!



A mãe da virgem diz que não

E o anúncio da televisão

E estava escrito no portão

E o maestro ergueu o dedo
E além da porta
Há o porteiro, sim...

E eu digo não
E eu digo não ao não
Eu digo: É!
Proibido proibir
É proibido proibir
É proibido proibir
É proibido proibir...


"Para mim, é sinal de atraso, mas acho que sou minoria. Estamos atravessando um interessante processo sociopolítico, em que o comportamento pessoal e particular é cada vez mais controlado, com a nobre finalidade de nos proteger, geralmente de nós mesmos.

Me dê um beijo meu amor
Eles estão nos esperando
Os automóveis ardem em chamas
Derrubar as prateleiras
As estantes, as estátuas
As vidraças, louças
Livros, sim... 


"Não se pode legislar o funcionamento da língua. O que se pode, no máximo, é regular a chamada norma culta, que poderia ter qualquer outro nome, porque é destinada apenas a manter um pouco da estabilidade da comunicação necessária à sociedade, desde o convívio interpessoal aos documentos de uso comum, da propaganda às leis. Se não fosse assim, dentro de pouco tempo a comunicação verbal seria quase impossível. De resto, a língua é viva e livre e ninguém manda nela, nem mesmo as ditaduras. E não insulta ninguém, depende para isso de seus usuários, que criam o que é considerado ofensa.


Cai no areal na hora adversa que Deus concede aos seus
para o intervalo em que esteja a alma imersa em sonhos
que são Deus.
Que importa o areal, a morte, a desventura, se com Deus
me guardei
É o que me sonhei, que eterno dura e esse que regressarei.

E eu digo sim
E eu digo não ao não
E eu digo: É!
Proibido proibir
É proibido proibir
É proibido proibir
É proibido proibir
É proibido proibir...




"Aguardo agora normas sobre as artes. As artes deverão ser obrigadas à imparcialidade e a conceder espaço igual a todos. Assim, se o vilão de um romance for católico e o mocinho evangélico, será exigida, concomitantemente, uma versão com os papéis invertidos. Se um samba falar que "minha nega me traiu", vai ter que haver outra versão, com a mesma melodia, cantando "minha loura me chifrou". E por aí vamos, ainda chegamos ao primeiro mundo.


Me dê um beijo meu amor
Eles estão nos esperando
Os automóveis ardem em chamas
Derrubar as prateleiras
As estátuas, as estantes
As vidraças, louças
Livros, sim...

E eu digo sim
E eu digo não ao não
E eu digo: É!
Proibido proibir
É proibido proibir
É proibido proibir
É proibido proibir
É proibido proibir...


Trechos de: Música 'É proibido proibir' de Caetanto Veloso e Texto 'Vem aí o Estatuto da Palavra' de João Ubaldo Ribeiro.

quinta-feira, 15 de março de 2012

O que vale no espetáculo?

Por Caio Lafayette

Tenho acompanhado a polêmica votação da Lei Geral da Copa em que assuntos de extrema importância, como por exemplo o direito a meia-entrada e os ingressos populares, deverão ser definidos para que haja sucesso na realização do evento em 2014.

O mais interessante nesse processo todo é o tema que tem causado mais polêmica: a liberação da venda de cerveja nos estádios.

Minha opinião quanto a isso é muito clara e utilizarei alguns exemplos e outras relações para explicá-la.

segunda-feira, 12 de março de 2012

Tudo ou Nada?

Por Caio Lafayette


Deitado em uma uma cama a sensação era de impotência.
Sair ele não podia, o que lhe restava era pensar. Mas pensar em que? E o pior: pensar por quê?


"Na verdade NADA é uma palavra esperando tradução..."

sexta-feira, 9 de março de 2012

A um passo...

Por Caio Lafayette

Quem viu o jogo desta semana entre Barcelona e Bayer Leverkusen deve ter ficado mais uma vez 'êxtasiado' com o show de Lionel Messi.

Sim, mais um show.

Foram 5 gols: 1 de sorte; 1 comum; e 3 espetaculares.



quarta-feira, 7 de março de 2012

São Paulo sem gás

Por Caio Lafayette

Eis que amanhecemos em plena manhã de um dia comum - e útil - do mês de Março em meio ao caos. Sim, São Paulo sem combustível, um caos. 


Ao Transporte Público, ainda mais exigência - mais usuários - afinal, a única alternativa de mobilidade.



Sobraram críticas. De todo lado, pra todo lado.



Mas venho aqui demonstrar apoio a atitude da Prefeitura até agora - digo até agora porque tudo pode mudar até o fim da grave.


A greve se deu por conta da proibição de veículos pesados trafegarem nas Marginais entre às 5h e às 9h e entre às 17h e às 22h, de segunda a sexta-feira, e das 10h às 14h aos sábados. Importante ressaltar que a restrição está em vigor desde Dezembro, mas para adaptação só a partir de agora - segunda-feira, no caso - passou a ser taxada com multa de R$ 85,13 e acréscimo de quatro pontos na habilitação do condutor.




terça-feira, 6 de março de 2012

Traseiros grandes!

Na esteira da polêmica FIFA x Brasil, texto de Tutty Vasques, como sempre muito bem colocado, inclusive - e principalmente - em se tratando da 'infantilidade' de Marco Aurélio Garcia.



Traseiros grandes!

Por Tutty Vasques



Nada pessoal contra o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke! Toda vez que tentam – seja quem for – atingir o governo com pontapé no traseiro, o Palácio do Planalto manda soltar o Marco Aurélio Garcia, assessor especial da Presidência para bate-bocas internacionais.

“Esse cara é um vagabundo” – foi logo mostrando para o cartola francês que “infantil” é a mãe! Valcke, como se sabe, vinha dando uma surra verbal no ministro Aldo Rebelo, do Esporte, por conta do atraso nas obras para a Copa de 2014.

Só faltou chamar o velho comunista de “mariquinha” quando Aldo disse que não falaria mais com alguém tão “intempestivo”. Foi aí que o governo soltou o Marco Aurélio Garcia em Hannover, sob os holofotes da visita da presidente Dilma à Alemanha, para morder o “boquirroto” na frente de todo mundo.

“O interlocutor da Fifa está riscado!” – filosofou em alemão. Em bom português, quis dizer que o cara que ameaçou chutar o traseiro da turma que cuida da organização da Copa no Brasil está ferrado, lascado, perdido, top, top, top, uh!

Enfim, virou briga de traseiros grandes.

segunda-feira, 5 de março de 2012

100... 120... 140...

Por Caio Lafayette


100... 120... 140...

Era a velocidade em que ele guiava em direção a sabe-se lá o quê.

Pra falar a verdade, ele sabia pra onde ia. Talvez não soubesse o porquê de estar indo – e isso sim parecia preocupante.

No som, uma seleção de Pearl Jam e Beck – não necessariamente as melhores, mas aquelas que ele mais gostava.

A camisa ainda a mesma do longo dia de trabalho.

Empresário mal sucedido, era dono de uma produtora cujos filmes que se caracterizavam por agradar a poucos. Mas não era seu primeiro negócio. Só nos últimos cinco anos tivera uma loja de DVD’s, que faliu por conta do crescimento da pirataria; um grupo de Pagode, que depois virou dupla sertaneja até que cada membro partiu para carreira solo – um virou metalúrgico e o outro motoboy; e ainda uma casa noturna – cuja culpa pela falência foi dele mesmo, mas isso é uma outra história.

A Marginal já ficava pra trás. Junto com ela, lembranças, culpas e remorsos.

Quando resolveu procurá-la, sabia que não devia. Foram amigos e inimigos; apaixonados e decepcionados; sonhadores e realistas; nunca namorados, ficantes ou qualquer outra coisa que rotule uma relação afetiva a dois. Foram apenas dois, um lá, outro cá, mas juntos. 

sexta-feira, 2 de março de 2012

Los 3 ____________

Por Caio Lafayette


1 chegou à CBF e tratou de ter a mesma postura de quando era dirigente de um grande clube: rivalizou com os antes adversários. Como consequência, pedidos públicos de desculpa e uma boa 'dura'.

2 tem um currículo inexpressivo para ocupar o cargo que ocupa; é influenciado claramente por um empresário, que indica seus jogadores, de qualidade duvidosa, para jogar com a tradicional 'Amarelinha'.

3 não daria pra falar de toda a 'ficha corrida' dele por aqui - faltariam caracteres. Em meio a CPI's, acusações e uma péssima gestão mantém-se lá, há muitos anos e sabe-se lá por mais quantos.


E tem gente que acha que o problema do futebol brasileiro está nas novas gerações...