segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Atenção à espionagem




“Referia-me à espionagem, que agora tanta discussão provoca e fez com que a presidente da República cancelasse uma visita oficial ao presidente do país espião. Eu não sabia que esse problema da espionagem, suscitado pela revelação (recuso-me a usar a palavra "descoberta", neste caso) de que agências americanas nos espionam, era tão importante para o destino brasileiro, a ponto de receber atenção prioritária. Pensei que outras coisas eram bem mais relevantes, como o abandono de obras públicas que todo dia é noticiado, os leilões e licitações fracassados ou semifracassados, o descalabro da infraestrutura, a violência, a corrupção, a ineficiência - enfim, a problemática toda que está aí, até hoje à espera de solucionática e não de propagandática.”


Trecho extraído do texto ‘Atenção à espionagem’, de João Ubaldo Ribeiro, publicado no jornal O ESTADO DE SÃO PAULO, em 29 de Setembro de 2013.

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

10 Perguntas para... Menon

Por Caio Lafayette

Menon é também Luis Augusto Símon. Ganhou o apelido ainda no antigo ginásio, em Aguaí. É engenheiro e nunca buscou o diploma de jornalista, apesar de já ter escrito para Trivela, Agora, Jornal da Tarde entre outros. Atualmente, mantém um blog de sucesso no UOL. Aceitou o convite pra falar de futebol por aqui. 




1. Menon, você escreveu o livro ‘Os 11 Maiores Goleiros do Futebol Brasileiro’. Dentre os 11 escolhidos em sua lista, 3 ainda estão em atividade, mas em momentos diferentes: Julio César, Rogério Ceni e Dida. Como você avalia cada um deles hoje, 3 anos após o lançamento do livro? Eles ainda estão na lista dos maiores?


Bom, deixa eu explicar como foram escolhidos os 11 goleiros. A editora foi muito honesta e desde o início deixou claro que a lista não seria feita apenas por mim. Então, mandei uma lista com 14 nomes, onde, dos 11 escolhidos, não estava apenas o Raul.
Tinha os outros dez mais Manga, Felix, Ronaldo e Lara, do Grêmio. Em seguida, definimos que o livro deveria ser bem fundamentado e não ficar na lenda, em histórias que seriam difíceis ou impossíveis de se documentar. É o caso de Lara. A história diz que ele veio do interior do Rio Grande do Sul para o Grêmio. E, em seu primeiro jogo, defendeu tudo. Foi muito cumprimentado mas lhe perguntaram porque ele dava murros na bola em vez de segurar. E ele, surpreso, teria dito: “mas, pode?”. É bonito, mas como provar? Então, Lara que está até no hino do Grêmio, não entrou. 

Então, o editor disse que havia consultado algumas pessoas, inclusive o Mauro Beting e que Félix não entraria. Uma pena, porque eu considero o Félix um grande personagem. Concordo que ele é mais personagem do que goleiro, mas gostaria que ficasse. Quanto às outras duas trocas, fui voto vencido: saíram o Ronaldo e o Manga – outro personagem fantástico, ídolo no Inter, no Nacional de Montevidéu, no Equador e Botafogo – e entrou o Raul, que teria mérito de agradar duas grandes torcidas, do Flamengo e do Cruzeiro.


Quanto aos três que estão em atividade, eu os considero ainda como entre os melhoes, apesar de o Julio Cesar haver falhado no jogo contra a Holanda, na Copa. Acho que alguma mudança pode acontecer com o tempo, a partir do amadurecimento do Jeferson, do Botafogo. E, entre eles, Ceni é quem está melhor. Dida está falhando mais do que ele e Julio Cesar não tem atuado, apesar de ir muito bem na seleção


2. Julio César, um dos goleiros da sua lista, é hoje titular absoluto da Seleção Brasileira do Felipão, que se prepara para a disputa da Copa em nossa casa. O que você tem achado da preparação da Seleção Brasileira pra disputa do Mundial? Você discorda de alguma peça que o Felipão vem convocando? Você acha que a saída do Mano Menezes fez bem para a Seleção?


A seleção melhorou muito com o Scolari porque, em pouco tempo de trabalho, já é possível definir os 11 titulares. O povo já sabe escalar o time, coisa que Mano não conseguiu fazer em três anos de trabalho. Acho que os jogadores estão sendo bem convocados, gostaria que o Miranda tivesse uma oportunidade. 


3. Não podemos prever o futuro, mas no papel de entendedor de futebol que é,
quais sua previsões para a Copa 2014? O Brasil conseguirá vencer em casa? Quais as seleções favoritas e quais podem surpreender?


O Brasil é um dos favoritos. Sempre é, ainda mais jogando em casa. Os outros são os de sempre: Argentina, Alemanha e, agora a Espanha.


4. Falando do futebol aqui, em solos brasileiros, dois dos times que você nutre grande simpatia encontram-se em situação não muito agradável, na luta contra o rebaixamento: São Paulo e Portuguesa. Você acha que eles se salvam da degola? Quem cai pra 2ª divisão? E o Cruzeiro tem perna pra vencer o campeonato?

O São Paulo escapa, com certeza. A Portuguesa tem boas chances porque tem atuado bem. Dentro de suas limitações, montou um bom time. Teve muito azar em alguns jogos, perdendo pontos nos últimos minutos, mas isso passou. Acho que Náutico, Ponte, e Criciúma vão cair. Vasco, Bahia e Portuguesa disputam a outra com o Flamengo.



5. Não é comum na história do São Paulo a luta contra o rebaixamento. Muitos culpam o Juvenal Juvêncio pela situação, outros o Rogério Ceni ou o Ney Franco. Quem você considera o verdadeiro culpado? Em que momento o São Paulo deixou de ser o ‘clube modelo’?

A culpa maior é da diretoria que montou um elenco que, se não é ruim, é desequilibrado. Os laterais não marcam, os volantes não apóiam e referentes como Luís Fabiano, Osvaldo e Jadson estão mal psicologicamente. Quanto à derrocada, ela começa com a mudança de estatuto. Foi um golpe


6. Em Abril o São Paulo passará pelo processo de eleições. Em seu blog, você publicou entrevista o vice-presidente do clube, Leco, que se posiciona como um dos candidatos. Te surpreendeu o fato dele não ser escolhido candidato da posição? Por que Juvenal escolheu Carlos Miguel Aidar?

A decisão foi apenas do Juvenal e não sei o motivo. Acho que ele viu no Aidar mais possibilidade de vitória, depois que o Adalberto se queimou. Como haverá disputa, ele não pode escolher o Leco, velho companheiro.


7. .A oposição no São Paulo fez bastante barulho com o Vereador Marco Aurélio Cunha. Recentemente ele abriu mão da sua candidatura em favor do Kalil Rocha Abdalla. Com isso, a oposição tem mais chance de vencer? Por que o Marco Aurélio decidiu retirar a candidatura? Qual caminho você acredita ser melhor para o São Paulo?

O Kalil tem, segundo o Marcou Aurélio, muito respaldo entre os conselheiros mais antigos, tiraria um pouco o ar “rebelde “ da chapa. Engraçado dizer isso quando se sabe que o vereador tem 59 anos, mas no São Paulo é assim, a tradição pesa muito. Acho que a chapa de oposição pode dar uma boa oxigenada no clube, que ficou muito preso ao Juvenal.


8. Ney Franco, Paulo Autuori e Muricy Ramalho. Os três últimos comandantes do
São Paulo. O que o Ney Franco fez de errado? O que o Paulo Autuori fez de errado? E o que o Muricy deve fazer pra estar certo?

O erro do Ney Franco foi insistir muito no esquema com tr~ES atacantes sem ter ninguém à altura do Lucas, que havia saído. Deveria ter insistido mais na dupla Ganso e Jadson. Precisaria ter descoberto o melhor jeito de os dois jogarem juntos. É pago para isso. O Autuori estava acertando o time, mas foi muito prejudicado pelos pênaltis perdidos contra Flamengo, Portuguesa e Criciúma. O time precisava reagir e algo tinha de ser feito. O Muricy está indo bem, arrumou a defesa e colocou três jogadores de bom passe no meio campo. 


9. Quando voltou ao Brasil pra assumir o Vasco, Paulo Autuori afirmou que os técnicos brasileiros estavam ultrapassados. O que você acha dessa afirmação? Ele tem razão?


Acho que todos são muito iguais. Não há nada de diferente. Agora, a moda é o 4-2-3-1 como há pouco tempo era o 3-5-2. E eles são muito empíricos. Mexem , mexem até dar certo. Aí, falam que encaixou. Parecem diretores de filmes pornôs. “Encaixou, ta bom, segue em frente”. 

Pedro Rocha, ídolo do São Paulo, com o livro escrito pelo Menon.

10.Sou idealizador do projeto Amigos da Leitura, cujo objetivo é ser um agente de desenvolvimento cultural por meio do incentivo e a democratização do acesso à leitura. Portanto, peço que indique um livro ao leitores do blog e nos diga o motivo pelo qual decidiu indicá-lo.


Que responsabilidade, hein? Dos brasileiros, quem eu mais gosto é Graciliano Ramos e Milton Hatoun, entre os atuais. Gosto de Gabriel Garcia Marquez e de Vargas Llosa, dois gênios em campos tão diferentes da política. Mas o que eu gosto mesmo é de pulp fiction, livros de detetive, principalmente os da Escandinávia como os suecos Henning Mankell e Camila Lackberg e o islandês Arnaldur Indrudason.

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

A melhor defesa é o ataque



O RB Leipzig, da Alemanha, inovou na saída de bola. Em jogo contra o Stuttgart II, conseguiu anotar um gol com apenas sete segundos após a inusitada formação 2-0-8, com quase todos os seus atletas posicionados para atacar. Quando o árbitro ordenou o começo do confronto, oito atletas do time alemão se mandaram para o campo de ataque e apenas dois ficaram no campo de defesa.


A 'loucura' do Leipzig não foi das piores ideias do mundo e o time foi premiado com a vitória por 3 a 1 sobre o Stuttgart II. 

A melhor defesa é o ataque!

terça-feira, 17 de setembro de 2013

A postagem do ano

O ano ainda não acabou, mas duvido que verei postagem melhor.

O autor: Alexandre Robusto da Luz, meu tio.



terça-feira, 10 de setembro de 2013

Que país é esse?

Texto de PAULO MATHIAS, Presidente Estadual da JPSDB-SP.


Há vários anos, o dia da Independência do Brasil, comemorado em 7 de setembro, tem sido marcado por protestos contra a corrupção e a má qualidade dos serviços públicos prestados à população. Neste ano, a coisa deve se intensificar. Desde o mês de junho, a sociedade conseguiu fazer valer sua voz e mostrar que ela, como deve ser mesmo em uma democracia, é muito mais forte que qualquer governo.

Mais do que votar, participar e cobrar, os jovens brasileiros começaram a perceber que devem se engajar. Afinal, que país queremos? O que nós jovens herdaremos passados três governos petistas?

Uma das frases mais célebres de Eleanor Roosevelt, que foi primeira-dama dos EUA e forte defensora dos direitos humanos, diz que “o futuro pertence àqueles que acreditam na beleza de seus sonhos”. E aqui no Brasil está cada vez mais difícil para o jovem brasileiro sonhar.

Em junho, mesmo mês em que as pessoas foram às ruas para reivindicar melhorias, a taxa de desemprego entre os que têm 16 e 24 anos subiu de 14,6% para 15,3%, mais que o dobro dos 6% registrados para a média das demais idades. O número total de jovens desempregados choca ainda mais: atingiu 579.974 pessoas, de acordo com dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas) em julho.

Outro dado preocupante é no que diz respeito à segurança. São Paulo, administrado pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB), é o Estado mais seguro para os jovens. Quanto ao resto do país, as taxas são alarmantes. O Nordeste do Brasil concentra as cidades mais violentas para os jovens.

De acordo com dados do Mapa da Violência 2013 – Homicídios e Juventude no Brasil, do sociólogo Julio Jacobo, Simões Filho, na Bahia, é a cidade mais perigosa para os jovens, com taxa de 378,9 assassinatos para cada grupo de 100 mil. Em 2011, em âmbito nacional, houve 27,1 assassinatos para cada 100 mil habitantes; entre pessoas de 15 e 24 anos, a taxa dobra. No mesmo ano, de cada 100 mil jovens, 53, 4 foram assassinados. Lembrando que a OMS (Organização Mundial da Saúde) considera epidemia quando passa de dez casos por 100 mil pessoas.

Estes são apenas alguns exemplos do presente desalentador para a Juventude do país. Os mesmos jovens que protagonizaram as recentes manifestações que tomaram conta das ruas no Brasil e que deram exemplo de vigor e de vontade de mudanças com a Jornada Mundial da Juventude, em julho, são os mesmos que são esquecidos pela presidente Dilma Rousseff e sua equipe de governo.

Mas o futuro está em nossas mãos. Como dizia Mário Covas “quando o desafio é grande, só há três atitudes possíveis: enfrentar, combater e vencer”. E é isso que temos de fazer: nos engajar, acreditar nos nossos sonhos e ir atrás do que queremos para o futuro. Se não aceitamos mais o que está aí, temos de continuar indo às ruas e dando voz aos nossos anseios, mas tendo em mente o que queremos e, principalmente, o que não queremos. Que país é esse que não dá suporte àqueles que tocarão a nação futuramente?

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Secretaria de Jovens Eleitos - JPSDB-SP

Por Caio Lafayette

Terminado o levantamento dos JOVENS ELEITOS nas 645 cidades do Estado de São Paulo.

Os critérios definidos foram os seguintes:

- Prefeitos eleitos nascidos até o ano de 1974;
- Vice-prefeitos eleitos nascidos até o ano de 1974; e
- Vereadores Eleitos nascidos até o ano de 1978.

A divisão regional respeita a mesma utilizada pela JPSDB-SP e suas macrorregiões.


Seguem, portanto, os resultados.

Temos 22 Prefeitos Jovens Eleitos, sendo

:- 2 na Macroregião de Araçatuba
- 2 na Macroregião da Baixada Santista
- 2 na Macroregião de Bauru
- 1 na Macroregião de Campinas
- 1 na Macroregião da Grande São Paulo
- 2 na Macroregião de Marília
- 1 na Macroregião de Presidente Prudente
- 3 na Macroregião de Ribeirão Preto
- 2 na Macroregião de São José do Rio Preto
- 2 na Macroregião de São José dos Campos
- 4 na Macroregião de Sorocaba

Temos 15 Vice-prefeitos Jovens Eleitos, sendo:
- 2 na Macroregião de Bauru
- 3 na Macroregião de Campinas
- 1 na Macroregião da Grande São Paulo
- 4 na Macroregião de Ribeirão Preto
- 1 na Macroregião de São José do Rio Preto
- 2 na Macroregião de São José dos Campos
- 2 na Macroregião de Sorocaba


Temos 180 Vereadores Jovens, sendo:
- 10 na Macroregião de Araçatuba
- 6 na Macroregião da Baixada Santista
- 9 na Macroregião de Bauru
- 25 na Macroregião de Campinas
- 8 na Macroregião da Grande São Paulo
- 15 na Macroregião de Marília
- 19 na Macroregião de Presidente Prudente
- 22 na Macroregião de Ribeirão Preto
- 22 na Macroregião de São José do Rio Preto
- 12 na Macroregião de São José dos Campos
- 32 na Macroregião de Sorocaba




No total, portanto, temos 217 JOVENS ELEITOS em todo o Estado de São Paulo, que representam 676.832 mil votos.

Além disso, os 180 Vereadores Jovens representam mais de 15% do total de Vereadores eleitos pelo partido.

É a Juventude mostrando a cara e cada vez mais mostrando força no PSDB.
Voa Alto Tucano!